O Ecumenismo e a Igreja Adventista

O ecumenismo tem uma história tão antiga quanto a história das divisões da igreja cristã. A unidade do corpo de Cristo tem sido a oração e o sonho desde o início. Jesus orou pela unidade e os apóstolos se esforçaram para mantê-la. Na história de cada igreja, você vai encontrar a unidade sendo desafiada. A história da igreja cristã é uma busca longa e exaustiva pela unidade. E ainda assim a igreja cristã não tem sido capaz de manter a sua unidade. Aqueles que deixaram a união formaram novas igrejas e tiveram sua unidade desafiada. O cristianismo hoje está dividido em três famílias principais: os católicos, os protestantes e os ortodoxos. A Igreja Católica Romana representa o maior grupo com 1.2 bilhões de membros, “Os Escritos Protestantes”. Além disso, esses encontros podem fornecer um espaço seguro para explicar nossas crenças fundamentais, especialmente nossas doutrinas distintas, para as pessoas que de outra forma jamais iriam ouvir-nos. Nossos pastores e membros nunca devem perder as oportunidades para compartilhar a mensagem adventista com pessoas de outras religiões.6 Enquanto mantivemos nosso compromisso com as Escrituras na qual baseamos nossas crenças fundamentais, fazemos bem em interagir com outras denominações para que possam ter uma percepção mais acurada de quem somos. Em um contexto do ministério de publicações, Ellen G. White escreveu uma declaração instrutiva que se aplica adequadamente a esta reflexão:

Você pode ter oportunidade de falar em outras igrejas. Para favorecer novas oportunidades, lembre-se das palavras do Salvador: “Sede, pois, prudente como as serpentes e simples como as pombas”. Não façam discursos denunciantes. Mensagens claras podem ser toleradas; mas restrinja todas as expressões duras. Há muitas almas a serem salvas. Em palavras e atos seja sábio para a salvação, representando Cristo a todos com quem você entra em contato. Deixe todos verem que seus pés estão calçados com a preparação do evangelho da paz e da boa vontade para com os homens (Review and Herald, 07 de outubro de 1902).7

Quanto à segunda questão, que parece implicar que por não participarmos activamente no movimento ecumênico, a Igreja Adventista do Sétimo Dia está em desacordo com a oração de Jesus pela unidade, os seguintes pensamentos são pertinentes. Os Adventistas do Sétimo Dia não são contra a unidade e total cumprimento da oração de Cristo “que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste” (Jo 17,21). Nesta questão, os Adventistas do Sétimo dia também conservam importante essa unidade, se alguma vez alcançada, deve ser baseada nas Escrituras, isto é, ela deve ser consistente com a verdade como é revelada na Bíblia. Devemos notar que no mesmo contexto em que Jesus ensinou sobre a unidade, Ele também falou sobre a verdade. Na verdade, dois versículos anteriores ao pedido de unidade, Jesus disse sobre a verdade: “E por amor a eles Me santifico a Mim mesmo, para que também eles sejam santificados pela verdade” (João 17:19). Esta referência à verdade é consistente com a declaração de Jesus em outras partes do Evangelho de João: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32).

Para concluir, os Adventistas do Sétimo Dia não devem perder a oportunidade de interagir com outras denominações e mostrar-lhes quem somos e onde estamos como uma comunidade que crê na Bíblia. Temos uma mensagem preciosa e única para compartilhar com o mundo, mesmo com outras denominações e grupos ecumênicos. Além disso, embora nós, como Adventistas do Sétimo Dia não somos membros do Conselho Mundial das Igrejas e não pretendemos ser, não somos contra a unidade em si. Somos em favor da verdade. Unidade construída sobre o fundamento da verdade bíblica seria uma realização maravilhosa. Mas, por agora, vamos manter em mente o que Jesus disse: “Vós sois a luz do mundo. Uma cidade edificada sobre um monte não pode ser escondida. Nem se acende uma candeia para a colocar debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos os que estão na casa. Deixe a sua luz brilhar diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus “(Mat. 5:14-16).


1 William M. King, “Ecumenism”. In The Encyclopedia of Protestantism, ed. Hans J. Hillerbrand (New York: Routledge, 2004), 182.
2 See William G. Rusch, “Ecumenism, Ecumenical Movement”. In The Encyclopedia of Christianity (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1999–2003), 2:46–60.
3 Wilbert R. Shenk, “World Council of Churches”. In The Encyclopedia of Protestantism, ed. Hans J. Hillerbrand (New York: Routledge, 2004), 821–826.
4 See W. J. Whalen, “Ecumenical Movement”. In The New Catholic Encyclopedia, eds. Berard L. Marthaler, Gregory F. LaNave, Jonathan Y. Tan, and Richard E. McCarron (Detroit, MI: Thomson and Gale, 2002), 5:88.
5 Pontifical Council for Promoting Christian Unity, accessed June 7, 2015, http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/chrstuni/index.htm
6 See John Graz, Issues of Faith and Freedom (Silver Spring, MD: Public Affairs and Religious Liberty Department), 141–148.
7 Ellen G. White, The Publishing Ministry (Review and Herald, 1983), 306.

Leave a Reply